Busca

Carregando...

sexta-feira, 24 de abril de 2015

Como realmente ser cativante numa entrevista de emprego

Tom de voz, palavras escolhidas, expressões faciais - numa entrevista de emprego, o candidato transmite ao recrutador diversos sinais conscientes e inconscientes. Às vezes surge empatia entre as duas partes. Às vezes não.
Isso acontece por uma razão simples: o seu avaliador também é uma pessoa. “Ele é treinado para amenizar o impacto da sua subjetividade no processo, mas nunca consegue eliminá-la completamente”, explica Jacqueline Resch, sócia-diretora da Resch Recursos Humanos.
No entanto, o peso da conexão pessoal para o sucesso da entrevista é relativo. Você nunca vai conquistar uma vaga só porque ganhou a simpatia do recrutador, segundo ela. “Ele pode até pensar que adoraria tomar um chope com você, mas nada vai mudar por causa disso”, diz.

Assim, é inútil tentar cativar o entrevistador com falas ou comportamentos programados. “Muitos candidatos ficam ansiosos em apresentar respostas e atitudes ‘certas’ na hora da entrevista”, diz Jacqueline. Apostar nisso não ajuda em nada.
Na verdade, atrapalha. No afã de agradar, você pode parecer artificial - e essa imagem vai na contramão do que realmente encanta os recrutadores.
“Não há nada pior do que candidatos que mentem ou inventam fatos para criar uma imagem favorável de si mesmos”, diz Felippe Virardi, gerente de recrutamento da Talenses. Segundo ele, os avaliadores não se impressionam com esses expedientes. “Quem se destaca são as pessoas genuínas”, diz ele.

Cartas na mesa
A transparência também conta pontos na hora de falar sobre as suas fraquezas. Profissionais cativantes não mencionam apenas os seus acertos, segundo Virardi. “Eles também contam histórias de fracassos, e explicam como reagiram a essas situações adversas”, diz.
Para Jacqueline, candidatos que demonstram autoconhecimento, de forma geral, inspiram respeito. Chama a atenção quem sabe bem o que pode oferecer à empresa, e também o que não pode, diz ela. “É importante que se coloquem as cartas na mesa”.
Demonstrar bom conhecimento sobre o outro lado também impressiona. Segundo Virardi, é preciso pesquisar o máximo possível sobre a empresa e seu setor de atuação. “Recrutadores gostam de quem faz a lição de casa”, afirma ele.
Outro diferencial é assumir também a posição de entrevistador e fazer perguntas sobre a vaga e a empresa. “É uma prova de que você se preparou para a entrevista, e que realmente se interessa pela oportunidade”, diz Jacqueline.


Fonte: Exame.com

terça-feira, 7 de abril de 2015

7 elementos totalmente desnecessários em um currículo



Claudia Gasparini

Preocupados em impressionar recrutadores, muitos profissionais se esquecem de uma regra básica para a elaboração de currículos: menos é mais.

“Falta de objetividade é um problema recorrente nos CVs”, afirma Rafael Souto, CEO da consultoria Produtive. De um visual enfeitado demais a detalhes irrelevantes sobre a sua trajetória, o excesso pode aparecer tanto na forma quanto no conteúdo do documento.

quinta-feira, 26 de março de 2015

A linguagem corporal na entrevista



Aprenda a controlar sua linguagem corporal e usá-las a seu favor. Você pode se beneficiar muito se você sabe o que  transmitirá seus movimentos.


Você sabe o que você está transmitindo?

quarta-feira, 18 de março de 2015

Como e onde procurar emprego? Veja dicas



Foto: Mundo Vestibular/Reprodução
Procurar emprego pode ser uma tarefa frustrante, principalmente se você “sair atirando para todos os lados”, sem muito planejamento. Com um pouco de organização e estratégia, no entanto, você aumenta suas chances de encontrar o emprego dos sonhos, economiza tempo e ainda tem mais controle sobre os caminhos da sua carreira.

Confira, a seguir, cinco dicas para procurar emprego de forma mais eficiente.

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

Como não errar feio na pretensão salarial?



Claudia Gasparini

Dinheiro, às vezes, é um assunto muito delicado. Ainda mais quando você está diante de uma proposta de emprego e, com poucas informações em mãos, precisa definir sua pretensão salarial.

Foto: Reprodução Internet
O constrangimento se deve, em grande parte, ao temperamento do brasileiro, segundo João Xavier, diretor geral da Ricardo Xavier Recursos Humanos. “Somos menos pragmáticos do que outros povos, então achamos difícil atribuir um 'preço' para uma pessoa”, diz ele.

A situação é ainda mais complicada quando faltam dados sobre o outro lado. Segundo José Roberto do Valle, presidente da Scotwork Brasil, a maioria das empresas prefere anunciar vagas com “salário a combinar”.

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

Quanto mais idiomas você souber, mais chances de ganhar bem.



Talita Barbosa

Dominar apenas o inglês não basta. Mercado procura quem saiba três, quatro línguas. Promoções e aumentos ficam mais fáceis. 

Flavius estuda ciência política com foco em relações internacionais. 

Já fala inglês e espanhol e estuda mandarim e francês

Fernando da Hora/JC Imagem

 

Dominar a língua inglesa não é mais considerado um diferencial no mercado, mas sim um requisito. O que antes era algo valorizado, hoje tornou-se obrigatório nas grandes empresas. Diante disso, profissionais que, além de serem fluentes no idioma, dominam outra língua, ganham um peso extra no currículo, o que aumenta em até 90% as chances de contratações, promoções e empregos em outros países.

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

Veja 14 passos para ter sucesso na carreira



Não abrir mão da vida pessoal pode ser o segredo para a satisfação na carreira. É o que acredita o diretor de conteúdo do Kindle da Amazon, Andreas von der Heydtis, que listou 14 formas para ser bem sucedido no trabalho, sem deixar de aproveitar o tempo livre com a família e os amigos.

Em artigo publicado pelo Fórum Econômico Mundial, Heydtis afirma que não existe uma fórmula mágica para resolver este dilema, especialmente para pessoas que ocupam cargos de grande responsabilidade.

“Mas posso oferecer uma perspectiva diferente, proporcionando princípios que comprovadamente permitem entrar na vida de alguém e concentrar mais em estabelecer relações sustentáveis e preciosas para garantir o sucesso sem lamentar depois”, diz o executivo.